domingo, 21 de outubro de 2012

O LULO-PETISMO E SUA DOENÇA TERMINAL.







O que é o lulo-petismo? Aparentemente o conceito carrega a influência pessoal que Lula imprimiu ao projeto político petista. Mas o lulo-petismo melhor se define como uma forma criminosa de dirigir a sociedade através do poder legal dado pelo povo enganado e da hegemonia gramsciana, a revolução cultural que seduziu e envenenou a sociedade. A composição da palavra me permite mostrar o modo e o pensamento criminosos como forma de governar. Foram tão longe em seus atos criminosos que agora pagam o preço disso. O lulo-petismo vive seu pior momento. Lula vive seu inferno astral. Nunca os petralhas no poder estiveram tão ameaçados.


A sociedade, em geral, está mais esclarecida do que estava há alguns anos. Alguém poderá não concordar vendo o sucesso do lulo-petismo em São Paulo que provavelmente elegerá Fernando Haddad neste segundo turno. Mas não nos deixemos enganar pelo período eleitoral deste segundo turno. São Paulo não é o Brasil, embora milhões de manos paulistas e sua brutal ignorância política – milhões de mentes ocas a serviço de uma estratégia comunista e corrupta de dirigir a sociedade – possam parecer provas vivas que o lulo-petismo não fracassou. Fernando Haddad, o filhote nutrido de Lula, invadiu essas mentes ocas do eleitorado pior informado do Brasil. Além disso, São Paulo tem tucanos demais.


Assim a ameaça que corre o lulo-petismo não se deve a nenhuma ação do PSDB ou de qualquer outro partido dito de oposição. Simplesmente o governo Lula foi apanhado roubando – um traidor denunciou a quadrilha, se desentenderam na divisão do roubo, e todos foram parar numa delegacia de polícia. O maior “adversário” petista, o PSDB, já se provou completa e inequivocamente incompetente para parar o lulo-petismo. Ideologicamente os tucanos são gêmeos social-democratas do lulo-petismo. A única diferença é que lhe questionam a pessoalidade – Lula –, onde se calca este movimento revolucionário, e mesmo assim, apenas para fins eleitorais.


O seu ex-aliado, o DEM, está se fragmentando, morrendo de anemia eleitoral e se corrompendo o suficiente para deixar o lulo-petismo em paz. Aliás, todos os partidos políticos brasileiros estão corrompidos pelo lulo-petismo. Os partidos políticos brasileiros fora comprados em diferentes momentos de suas vidas. Seus vendilhões são sobejamente conhecidos. E alguns deles estão indo para a cadeia.

O PSDB tem que dar lugar a outro partido que seja como ele também legítimo na pretensão de ser governo. Falo aqui de um partido que representaria a grande parte da sociedade que é simpática à direita. Dizer que a direita é sinônimo de crime é uma impostura comunista que impactou sobretudo os jovens. Precisamos, e eu me incluo aqui, voltar a governar o país. A sociedade espera por isso há muitos anos. Mas o discurso desse partido deveria seguir a linha do desmascaramento, não tolerando mais a política assimétrica. Não devemos aceitar, como o PSDB aceitou, a luta assimétrica. Luta assimétrica é aquela que é travada em desigualdade de condições. Nas eleições e nos períodos eleitorais onde as regras são vergonhosamente fraudadas, a vislumbramos mais claramente, embora com amargura. A assimetria confere legitimidade apenas ao lado lulo-petista. Falo das pesquisas e da mídia amiga, viciada no veneno ideológico comunista. Há fraudes demais na informação que está à disposição da sociedade. A assimetria de que falo vem daí. E a fonte é uma só: o lulo-petismo, exercido sobre toda a sociedade e em parte do Estado.


A sociedade tem que conhecer, para se convencer, que o lulo-petismo é intrinsecamente criminoso. A história do Brasil precisa ser recontada aos mais jovens. O lulo-petismo nasceu corrupto. Era até corrupto antes de nascer porque fruto maldito do marxismo-leninismo: uma prática política, praxis, o socialismo; e uma filosofia, o idealismo comunista. Ambos, o socialismo e o comunismo, se mostraram dolorosamente letais e errados tantas vezes. O socialismo promete o comunismo no futuro, mas entrega aqui e agora o inferno da miséria ou a paz dos cemitérios. É assim, e sempre foi assim no mundo. Aqui não seria diferente. 


Antes da posse de Lula em janeiro de 2003, o esquema criminoso da quadrilha que o juiz petista Lewandowski não enxerga, se formou em bases operacionais típicas das grandes estruturas criminosas de gangsters, com logística quase perfeita. Sendo multilateral e aparentemente invisível, firmemente se determinou a roubar o necessário de quem quer que fosse, cidadãos, ou a República, assaltando o Banco do Brasil e o Erário, a fim de estabelecer sua ditadura. O lulo-petismo assaltou a sociedade que disse defender para consolidar uma permanência eterna ou quase eterna no poder.

O lulo-petismo veio para ficar porque é essencialmente antidemocrático, pois que somente os antidemocratas violam ou desconhecem, ou fingem desconhecer, a regra da substituição saudável e da alternância do poder na luta política. Como arma contra o lulo-petismo não bastam apenas eleições na luta política. Só a regra democrática eleitoral não é suficiente para derrotá-lo. Eleições não resolvem o problema de nos livrarmos desses revolucionários criminosos e armados. A eleição que temos que ganhar deve ser travada como uma luta igualmente constante e severa no âmbito da vida diária e esclarecida da sociedade. Essa luta somente pode se dar no varejo, pessoa a pessoa, no trânsito de informações corretas – a única arma que temos. A informação é um poder em si mesmo, e também o único antídoto contra a desinformação.


Idéias não se destroem. A idéia comunista já existe há séculos. Temos que trabalhar no concreto humano, nas consciências, para neutralizarmos pelo menos sua existência e diminuir seu impacto nefasto sobre as nossas vidas. Nesse elevado nível o socialismo e o comunismo devem ser vistos como inimigos. No nível das regras gerais que a todos se obriga, a sua existência materializada na forma de partidos políticos é legítima, e por isso não deve ser destruída. Se assim o fizéssemos estaríamos agindo como eles agem. Precisamos trazer as palavras e os conceitos corretos de socialismo e comunismo de volta à sociedade para o seu amplo debate. Não é por outro motivo que, tão logo os comunistas chegaram ao poder no Brasil, essas palavras desapareceram, restando presentes apenas nos nomes das siglas partidárias.


Precisamos participar da legítima batalha pela representação desse segmento enorme da sociedade, cuja aspiração e esperança aguardam uma canalização, um conduto partidário que a leve de volta à direita, um regime de direita. Um novel partido deste tipo deveria se postular claramente anti-socialista e anticomunista. Para tal seria necessário um prévio esclarecimento à população – prévio, e urgente. Isso parecia muito difícil e até impossível há algumas semanas.

Mas, entretanto, surgiram realidades jurídicas incômodas para o lulo-petismo. Ao julgamento do Mensalão se somou a realidade das duras penas cominadas a Delúbio Soares e José Genoíno, juntamente com seus cúmplices, os donos do Banco de Minas Gerais. Juntamente às sentenças paralelas no STF, que já condenaram pessoas do núcleo do governo de Lula e toda a diretoria corrupta do Banco Rural a eles associada, e ao descrédito da população, o efeito disso sobre o lulo-petismo poderá ser desestabilizador. A idéia que eventuais vitórias eleitorais sobre os candidatos do lulo-petismo bastam para qualquer desestabilização, mais uma vez deve ser rechaçada. Mais uma vez: não. A via judicial da desmoralização de Lula como chefe tácito de quadrilha é preferível e bastante segura porque se perfila ao lado da Lei. Isso dá grande fortaleza moral, algo que até a sociedade desinformada ou pouco informada pode reconhecer. Mais adiante cravaremos uma estaca no coração desse vampiro ladrão de almas.


O mal do lulo-petismo não provem apenas do gosto por dinheiro que não lhe pertence. É muito mais do que isso. É um mal moral – é a própria amoralidade. Como a mente de um serial killer psicopata, o lulo-petismo age por instinto assassino, não tendo remorsos e sem jamais admitir o mal que infligiu e inflige à sociedade. Mente para si o tempo todo, engana o povo o tempo todo. Jamais se arrepende dos crimes e assassinatos que perpetrou. O lulo-petismo, vejam a extensão dessa ideologia criminosa, matou centenas de pessoas, todas inocentes dos seus atos terroristas nas décadas passadas. Essa realidade foi apagada pela mídia socialista e seu exército de jornalistas barbudinhos com boinas do Che Guevara, ícone comunista, e de artistas populares de miolo mole. O lulo-petismo jamais lutou por democracia alguma – lutou sempre e apenas por uma ditadura comunista aos moldes de Cuba e União Soviética. Em breve postarei um artigo de Olavo de Carvalho sobre o funcionamento dessa mente revolucionária sem alma e sem remorsos.


Lula está claramente enredado com o caso BMG. Ele é o maior e o último ordenador das negociatas que privilegiaram o BMG. Tudo por dinheiro fácil (43 milhões de reais) que o levasse a um patamar ainda mais alto do domínio político sobre o país. O nome de Luis Inácio Lula da Silva aparece várias vezes nos processos ora em curso e em várias instâncias de justiça. Existem mais de 40 ações criminais, com dezenas de petistas envolvidos e responsabilizados, distribuídas em várias varas federais de justiça em quatro estados. O conjunto das provas e dos envolvimentos conduz a Lula, o apanha por inteiro. Lula só não sairá condenado por inépcia e cumplicidade da oposição, ou por uma maioria de petistas no STF nos anos que se seguirão. Por enquanto, fora PSDB, fora mídia aliada!


No caso particular da Ação Civil Pública existe a assinatura de Lula em um documento onde a trapaça foi feita, o que lhe custaria no mínimo quase 10 milhões de reais de ressarcimento ao Erário, não fôssemos nós mesmos os trouxas que pagarão a conta.

Os lulo-petistas, como todos sabem, abusam diariamente do dinheiro público – todos os dias. O Código Penal é algo que vale muito pouco para esses ladrões. A maneira como eles entendem a República, de forma estritamente individual, unitária, unitária ao extremo; unívoca, unívoca ao extremo; excludente, e excludente ao extremo, mostra seu desprezo pelas Leis e a regras de aplicação geral e, sobretudo seu desdém pelos seus oponentes, vistos como inimigos que devem ser destruídos.


O governo lulo-petista é uma ação revolucionária permanente. É bobagem negar a sua qualidade de quadrilha – o domínio criminoso petista do país é constante e permanente, e tendencialmente eterno. A certeza que o lulo-petismo tem acerca do futuro provém da idéia do materialismo histórico marxista comunista; a prática criminosa vem do socialismo do dia a dia. Isto tem que ser dito à sociedade. Os nossos dias não são bons, é verdade, mas uma esperança se abriu. Deixemos os tucanos aliados de ideologia ao lulo-petismo de lado e combatamos os dois.

sábado, 20 de outubro de 2012

LULA PRÓXIMO DE JULGAMENTO



A Ação Civil Pública contra Lula e Amir Lando (então ministro da Previdência) que tramita na 13a Vara Federal colocará o ex-presidente do Brasil ao alcance do Supremo Tribunal Federal nos próximos anos. O desenrolar da Ação Civil Pública desvendará os liames e a participação de Lula diretamente como cúmplice dos diretores do BMG, o que lhe poderá acarretar imputação de crime de responsabilidade.

No link abaixo está a Ação Civil Pública a qual Lula responde.



http://processual.trf1.jus.br/consultaProcessual/processo.php?proc=00078070820114013400&secao=DF&enviar=Pesquisar#


A possibilidade da imputação penal de Crime de Responsabilidade, quase uma certeza, ficou maior quando saiu a sentença condenatória contra o presidente do BMG e seus diretores, condenados a 7 anos de prisão, e a de José Genoíno e Delúbio Soares, condenados a 4  anos de prisão por falsidade ideológica. Os condenados podem ainda recorrer ao STF(!). As condenações se devem a empréstimos fraudulentos dados ao PT em troca do enriquecimento do Banco de Minas Gerais.

Abaixo a fotos do três condenados do BMG. A grande mídia silencia.






Marcio Alaor Jr., ao centro Ricardo Guimarães,
e Flávio Guimarães


As ligações criminosas de Lula e sua quadrilha ficam muito claras quando se entende seu envolvimento direto com as ilicitudes que praticou como presidente para favorecer um banco corrupto. Leiam abaixo para entender tudo.



  
Quatro anos de prisão (antes da sentença do Mensalão)




"Quatro diretores do BMG foram denunciados pela Procuradoria da República por gestão fraudulenta e falsidade ideológica. Na ação, Ricardo Guimarães, João Batista de Abreu, Márcio Alaôr de Araújo e Flávio Guimarães, os diretores do BMG, são acusados pelo Ministério Público Federal de liberar mais de R$ 43 milhões “mediante empréstimos simulados” ao PT e às empresas de Marcos Valério(...)
 
 “O BMG foi flagrantemente beneficiado por ações do núcleo político-partidário, que lhe garantiram lucros bilionários na operacionalização de empréstimos consignados de servidores públicos, pensionistas e aposentados do INSS, a partir do ano de 2003”, diz Souza.


"O MP afirma que o BMG emprestou dinheiro de modo displicente, sem esperar que o PT ou Marcos Valério pagassem a dívida. Salgado Martins se convenceu disso porque o BMG perdoou altos valores na rolagem das dívidas e pela falta de registro contábil dos empréstimos nas empresas de Valério. É incomum que bancos concedam mais prazo ou mais dinheiro sem receber uma parte do pagamento. O comportamento do BMG fugia ao padrão dos conservadores bancos brasileiros. O banco só começou a cobrar o PT em junho de 2005, quando já havia estourado o escândalo do mensalão(...)

"De acordo com os autos do processo do mensalão, Marcos Valério conquistara a confiança do tesoureiro petista Delúbio Soares, principal encarregado de arrecadar dinheiro para o PT. Depois da eleição de Lula a presidente, afirma o processo, Delúbio dera a Valério aval para fechar negócios em nome do PT, com a garantia de que o governo petista honraria os acordos. Ainda em janeiro de 2003, antes que o governo Lula completasse um mês, Valério já iniciava as tratativas com o BMG e o Rural (...)".

"O contato de Valério e Delúbio no BMG era, segundo o inquérito, Ricardo Guimarães, presidente do banco. De acordo com os autos, primeiro Delúbio foi à sede do BMG, em Belo Horizonte, pedir dinheiro a Guimarães. Depois, Valério reforçou o pedido — e se ofereceu como avalista. Logo depois das primeiras reuniões, o processo registra que o BMG começou a liberar dinheiro para o PT e Valério. Em 17 de fevereiro de 2003, o BMG acertou um empréstimo de R$ 2,4 milhões para o PT".

" (...) A ação também aponta que cinco dias depois de uma reunião entre José Dirceu, Guimarães e Marcos Valério, o BMG liberou um segundo empréstimo, desta vez para a SMP&B, uma das agências de Valério, no valor de R$ 12 milhões.

Ainda em 2003, o BMG empregou a ex-mulher de Dirceu, Maria Ângela Saragoça, na área de recursos humanos do banco. Ângela já tinha emprego. Dava expediente até as 5 da tarde no serviço público em São Paulo. Ela afirmou mais tarde que trabalhava para o BMG à noite e nos fins de semana. “Minha obrigação era atender, atender não, trabalhar lá meio período bancário. Três horas por dia”, disse.

Facilidades com o INSS


Em 2004, cinco dias após o presidente Lula assinar o Decreto 5.180, que abriu a todos os bancos o mercado de crédito consignado a aposentados e pensionistas do INSS, o BMG pediu oficialmente para entrar nesse mercado. Oito dias depois, recebeu autorização do INSS. Outros dez bancos fizeram pedido igual, na mesma época. Todos levaram pelo menos 40 dias para receber a mesma autorização.

Com condições favoráveis, o BMG operou com pouca concorrência num mercado em que a demanda era abundante. Sua carteira de crédito consignado para aposentados e pensionistas do INSS engordou e, três meses depois, o BMG a vendeu à Caixa Econômica Federal por R$ 1 bilhão. O BMG, que já operava com crédito consignado desde 1998, tornou-se um gigante nesse mercado. Fechou o ano de 2004 com lucro de R$ 275 milhões — um crescimento de 205% em relação ao lucro de R$ 90 milhões no ano anterior. No ano seguinte, o lucro foi de R$ 382 milhões.

Àquela altura, o BMG se tornara o 31º banco do país. (Em 2002, antes do governo Lula, o BMG não estava entre as 50 maiores instituições financeiras brasileiras.) No ano passado, o BMG lucrou R$ 583 milhões, comprou outro banco e se tornou o 17o do país em ativos totais. No mês passado, enquanto o Rural se preparava para o julgamento do mensalão no Supremo, o BMG se tornava sócio do Itaú Unibanco, o maior banco da América Latina, cedendo a ele 70% de suas operações no mercado consignado.

Em 2005, após o chamado escândalo do mensalão, o Tribunal de Contas da União examinou a entrada do BMG no mercado de empréstimos consignados do INSS. A Polícia Federal investigou as operações de lavagem de dinheiro do mensalão envolvendo o BMG. O Banco Central analisou a lisura dos empréstimos liberados pelo BMG ao PT e a Marcos Valério. A CPI dos Correios e a Procuradoria-Geral da República centraram-se no nexo entre a concessão desses empréstimos e as vantagens obtidas pelo BMG no crédito consignado do INSS.

Multas e condenações


O TCU, concluiu que “não se encontram razões para a prioridade [à concessão de crédito] dada ao pedido do BMG”. O voto do ministro Augusto Sherman afirmou: “As irregularidades encontradas nos procedimentos adotados pelo ex-presidente do INSS e o tratamento desigual (...) denotam explícito e indevido favorecimento (...) A situação é gravíssima, porque houve a participação direta do então presidente do INSS no atendimento privilegiado e fora dos procedimentos usuais e legais”. Por causa desse caso, o então presidente do INSS, Carlos Bezerra, foi multado em R$ 15 mil.

A PF e o Banco Central investigaram os empréstimos do BMG ao PT. “Restou comprovado que os empréstimos concedidos ao PT e às empresas de Valério foram aprovados pela diretoria sem observância de normas do Banco Central nem tampouco das normas internas do banco”, diz um laudo da PF.

Os peritos apontam três problemas nos empréstimos: o BMG não fez verificações suficientes do PT e das empresas de Valério; as garantias dadas em troca eram frágeis; os relatórios das operações demonstravam que tanto o PT quanto as empresas de Valério não tinham dinheiro suficiente para pagar. O BC concordou e, em novembro de 2007, puniu o BMG e seus principais dirigentes por infrações na condução do banco.

O BMG recorreu da decisão do BC ao Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, ou Conselhinho, órgão de fiscalização do Ministério da Fazenda. No dia 6 de dezembro do ano passado, o recurso do BMG foi julgado. O relator do caso foi o advogado Francisco Satiro, representante da Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários (Ancord). Satiro livrou os dirigentes do BMG da inabilitação. Em seu voto, disse que as operações condenadas pelo Banco Central não ofereceram “efetivo risco ao Sistema Financeiro Nacional”. Com a reforma da decisão do BC, restou-lhes pagar uma multa de R$ 100 mil.

O BMG afirma que todos os empréstimos concedidos ao PT e às empresas relacionadas a Marcos Valério foram precedidos de criteriosa análise de crédito do banco a partir de farta documentação, levando em consideração o conjunto de vários fatores, dentre eles situação financeira do tomador, capacidade de pagamento, perspectivas futuras de crescimento, total de endividamento, levantamentos efetuados através do Serasa e Equifax, apontando baixo risco de crédito qualidade e suficiência das garantias apresentadas.

“Todos os depósitos oriundos dos empréstimos foram feitos nas contas dos favorecidos em outras instituições financeiras onde mantinham conta, não cabendo ao BMG o acompanhamento da destinação do próprio”, disse o banco, em nota.

Quanto à acusação de favorecimento no convênio com o INSS, o BMG diz ter seguido os trâmites burocráticos da autarquia, sem qualquer interferência de terceiros. O banco foi a primeira instituição não pagadora de benefício a requerer o credenciamento junto ao órgão, apresentando de plano toda a documentação exigida, pois sempre esteve preparado para se conveniar, diz o banco".

(em itálico a reportagem da Revista Consultor Jurídico, 27 de agosto de 2012)

terça-feira, 16 de outubro de 2012

FIM DE UMA ERA NO BRASIL?




O lulo-petismo parece estar tendo seus últimos dias. Ele ainda sobrevive na memória de milhões de pessoas. Mas até essas pessoas um dia ficam sabendo o que aconteceu nos últimos vinte anos, como isso se deu, porque o PT subiu e caiu. Na era Collor em 1992 o PT alcançou a hegemonia que anos depois lhe daria a vitória eleitoral e, com ela, o poder. Em 2012 se tornou possível ao PT o poder,  o direito de usar a caneta que assina ordens e documentos, a posse da chave do Tesouro e o Diário Oficial da União; tudo ao seu dispor para oficializar sua vontade. Já em janeiro de 2003, primeiro mês de poder do governo Lula, começaram a acontecer os depósitos e saques de dinheiro que aos poucos foi aumentando até ao ponto de ser atingida a casa de centenas de milhões de reais. Hoje, no Julgamento do Século, se sabe que a dinheirama tinha origem pública, isto é, ela era do povo brasileiro. O PT assaltou o povo brasileiro para conseguir iniciar seu propósito de nunca mais sair do governo. Sem oposição política ou da mídia conseguiu esconder o escandaloso caso dos mensaleiros até 2005. Durante 3 anos o PT roubou, deitou e rolou com o nosso dinheiro. Isso não teria sido possível se o PT não tivesse conquistado antes a HEGEMONIA (o controle da sociedade e o aparelhamento do Estado) em árduo trabalho de décadas. O PT também controlou os outros partidos. Os comprou e não com muito dinheiro. Esse controle se deu pela facilidade com que as idéias de esquerda venceram no Brasil. A introdução do PT ao poder se deu suavemente e até com simpatia da esquerda do PSDB. De fato, Fernando Henrique Cardoso passou o bastão do poder ao Lula com grande simpatia graças ao esquerdismo comum a ambos.

Hoje, 2012 os processos judiciais que sofrem os mensaleiros (criados pelo PT), atingem a cúpula do poder, e até Lula. Cabeças vão rolar.  No mínimo ficarão inelegíveis. Muitos já estão condenados e passarão alguns anos na cadeia, inicialmente em poucos anos de regime fechado, e, depois, o resto da pena em regime semi-aberto, o que permite ficar solto durante o dia. O Brasil ainda não está sendo informado disso. E você, está?

 
A Revista Veja apresenta um gráfico com os acusados (réus) Clique nas imagens para conhecê-los. Fique sabendo de tudo.

Hoje saiu um sentença condenatória contra José Genoíno e Delúbio Soares de 4 anos de prisão por falsidade ideológica no caso dos falsos empréstimos junto ao Banco de Minas Gerais, o BMG (que está em várias camisetas de futebol de muitos clubes). Os donos do banco também foram condenados a 7 anos de prisão.

http://www1.folha.uol.com.br/poder/1169942-justica-federal-de-mg-condena-genoino-e-delubio-por-falsidade.shtml

http://revistaepoca.globo.com/tempo/noticia/2012/08/provas-contra-o-bmg.html


Lula ajudou o BMG enriquecer 20 vezes. Por isso responde na Ação Penal 420 por improbidade administrativa. Se condenado fica inelegível por 10 anos e terá que pagar quase 10 milhões de reais.

Lula sabia de tudo. Se aliou ao banqueiros desonestos como ele e ficou rico também. Alguns bilhões de dólares estão no exterior com titularidade dividida entre "companheiros".  A grande imprensa não lhe conta isso. Somente os blogs veiculam informações preciosas sobre o que está acontecendo na ruína petista e lulista. A casa está desabando. O Rei esta nú!

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

O MITO DA TELEOCRACIA DE LULA









Helio Bicudo afirma que só existe o poder e o não-poder. Esquerda e direita não existem mais. Isso é logicamente uma tese absurda mas que na cabeça de um intelectual ganha um fôlego: nos faz pensar. Existem várias coisas assim que nos fazem pensar. Mais tarde descobrimos que o que nos faz pensar nos faz distrair também. É quando caímos na conversa dos intelectuais de esquerda. Helio Bicudo reclama dos caminhos tomados por Lula e sua quadrilha. Mas Bicudo participou da caminhada comunista anterior ao poder. Nessa caminhada havia uma finalidade que no estágio de poder ou governamental deveria desaparecer para dar livre curso à sociedade, a verdadeira dona do seu destino, sem tutelas, como ele disse, especialmente dos pobres, e sem o sentido finalístico dos governos ditatoriais. No texto abaixo ficamos sabendo como é deletério e perigoso um governo que constrange a sociedade para que ela obedeça a finalidades que não são suas e que condiciona destinos aprioristicamente escolhidos, direcionados e finalísticos. Isso é ditadura e totalitarismo.


Reproduzo abaixo duas páginas do livro organizado por José Antônio Giusti Tavares e outros onde se lê uma síntese do pensamento político de Michael Oakeshott. Lendo essas páginas podemos avaliar bem o que Bicudo poderia ter dito. Ele, como esquerdista, trotskista, crente na "ditadura do proletariado", talvez não conheça bem o pensamento desse brilhante filósofo político inglês. Leiam.

Governar é uma atividade específica e limitada, a saber, a provisão e a guarda de regras gerais de conduta (...) A função do governo não consiste em impor outras crenças e atividades aos seus súditos, nem em tutorá-los, ou educá-los, torná-los melhores e mais felizes de modo diferente, dirigi-los, galvanizá-los para a ação, liderá-los ou coordenar sua atividades de modo que o conflito não possa ocorrer (...) A função do governo é resolver algumas colisões geradas pela variedade de crenças e de atividades e preservar a paz, não interditando a escolha e a diversidade que decorrem do exercício da preferência, nem impondo uma uniformidade substantiva, mas apenas sancionando regras gerais de procedimento iguais para todos o súditos (...) Em suma, a evidência de governo deve ser encontrada no ritual, não na religião ou na filosofia; no gozo do comportamento ordenado e pacífico, não na busca da verdade ou da perfeição.” (OAKESHOTT, p. 424-428)



Governar (...) não concerne a pessoas concretas, mas a atividades, e apenas à sua propensão de colidirem umas com as outras. Não se preocupa com o bem ou o mal morais; não é concebido para fazer os homens bons ou mesmo melhores.”


Diz TAVARES (in O TOTALITARISMO TARDIO: O CASO DO PT, Ed. Mercado Aberto, Porto Alegre, 2000):

Neste caso, a pedra de toque da sociedade e da política é a diversidade de interesses, que se converte em pluralismo de fins. Os indivíduos, os grupos e os partidos movem-se não apenas por interesses particulares, mas por concepções particulares, alternativas, acerca do interesse público. E o tema da política é a regulação e a negociação do conflito entre interesses parciais e entre diferentes versões do interesse público, que competem entre si pela direção do Estado, bem como a produção do consenso acerca das regras, dos procedimentos, dos mecanismo e das instituições que viabilizam a ordem pública”.

Não é possível e, se possível, não seria legítimo exigir que os homens concordem sobre fins; mas é possível, necessário, e legítimo que indivíduos comuns acordem entre si acerca das regras do convívio político".


"O domínio da política não é a revelação e a realização de uma verdade teleocrática (finalística) única e unívoca, mas simplesmente o estabelecimento de regras processuais que, consensualmente acordadas, permitem a convivência ordenada entre os súditos, individuais e coletivos, que se movem na direção de interesses e de finalidades particulares diferentes, ou mesmo conflitivas, mas igualmente legítimas. Nos termos de Oakeshott, a tarefa da política consiste em instituir “uma regra que assegure a ordem sem dirigir o empreendimento”.


Digo eu, assim a nomocracia (o governo das leis) é o governo ideal, muito diferente da teleocracia (o governo que dita e exige fins últimos).


TAVARES adverte: “Ao contrário, a concepção teleocrática reinvidica, para uma elite ou para uma organização política, o monopólio do acesso à consciência antecipada de uma ordem social latente, única e unívoca – que deverá ser trazida do reino da virtualidade ao reino da atualidade como resultado final e inevitável da história humana – do processo também único e unívoco, que conduzirá a sociedade à realização dessa ordem. E aos portadores desse saber privilegiado, convertidos em elite governante, reserva a tarefa de dirigir a humanidade comum, mergulhada na falsa consciência, à consecução de fins últimos que, embora não se encontrem quer na vontade quer mesmo na sua percepção, realizam estranhamente os seus interesses reais. (...) Nesta perspectiva não há lugar quer para a pluralidade de fins, quer para a diversidade de meios. Não há mesmo indiferença ou neutralidade admissível. Versões alternativas, quer quanto a fins, quer quanto a meios, constituem equívoco ou delito. O líder, o partido ou o Estado converte-se no critério último de verdade e de ética, bem como no educador último das consciências e das vontades (...)”.


Finalizo eu: Na normalidade democrática e nomocrática o governo deveria se comportar como um guarda de trânsito que controla o tráfego social sem impor uma direção ou outra aos diversos indivíduos em movimento. Socialistas ou comunistas não conseguem fazer isso; sua obscessão é do controle, do domínio, da vontade vertical. Para satisfazer essa ambição egoística e perversa não temem as leis, mergulhando na corrupção gerando criminalidade social. Helio Bicudo percebeu isso e caiu fora. Espero a hora em que o povo brasileiro caia fora do lulo-petismo corruptor da alma e das consciências.














terça-feira, 9 de outubro de 2012

Nove de outubro de 1917, Lênin volta a Petrogrado e se refugia no Instituto Smolni. Começa seu poder.








Nove de outubro de 2012, nosso Lênin, José Dirceu, escondido em casa, vê pela TV Justiça sua condenação no Supremo Tribunal Federal. É o fim do seu poder.



com os brutamontes de sua laia



Seria o fim da era Lula, caso algum partido, ou aliança de partidos, dissesse isso claramente à população. O mais fácil seria mostrar um DVD, em vários idiomas, para todo o mundo, mostrando os piores momentos petistas no Julgamento do Século no Brasil. E também, por que não deles mentindo e se divertindo com dinheiro público? 



 
 Romanée Conti de 6 mil reais


Um governo, desde o caput, até o pessoal da garagem, sujou as mãos assaltando a República. Mentirosamente alcançaram o poder para isso. E queriam ficar para sempre - um poder sem limites. Os dias de Lênin e seus métodos violentos e visíveis já eram. Hoje, e desde 2003, os dias da era Lula e sua quadrilha são calmos e disfarçados. Mas não conseguiram enganar o STF. Não queriam dar tiros mesmo; só queriam a chave do cofre. A democracia permite isso. Mas a República não. E assim ficamos sabendo do assalto "democrático" do governicho Lula. Perceberam a diferença entre democracia, um meio, um método; de República, uma essência de Leis e Povo, puros e sadios?


Qualquer criminoso como Lula pode se intitular campeão da "democracia", mas não pode se dizer republicano. Os leninistas, quais sejam os métodos, são sempre ardilosos e mentirosos. O governo Lula tem aparência de honesto, mas isso se provou falso. A corrupção está provada e foi condenada. Simplesmente não é possível enganar todos, todo o tempo.



Mas o pior do leninismo tupiniquim e ladrão de galinhas é a corrupção moral da população. O leninismo petista é corruptor da moral da sociedade. Quem pensa somente no dinheiro que o governo Lula roubou tende a não perceber a diferença enorme entre um partido comunista (100% corrupto) e um partido normal, que embora possa roubar eventualmente, ainda obedece às regras democráticas e não tem a obsessão de destruir seus adversários. Os comunistas têm a sua própria regra. Nela não existe o adversário político, existe o inimigo político. Os adversários servem apenas para a fase de implantação da Ditadura, a fase de construção da suposta democracia (demagogia). Uma vez no poder, os adversários políticos não precisam mais existir. O partido comunista no poder inexoravelmente se expande até violar os limites e os direitos dos outros partidos, os quais são partes da sociedade que compartilham legitimamente diferentes conjuntos de idéias, de projetos, e até de aspirações e pretensões políticas a ser governo um dia. Um partido totalitário não tolera isso. Se não dá para exterminar fisicamente os partidos, como Lenin fazia, por que não comprá-los? Um partido comunista não aceita dividir a sociedade com ninguém. Por isso não tem compromisso com as Leis da República. Por isso seus líderes foram condenados e ainda continuam berrando: queremos justiça! Já a tiveram. Talvez tenham razão – não sabem o que é uma Republica.

Mas o povo cada vez sabe mais sobre a República. Por enquanto...


Por enquanto, alguns jornalistas canalhas e hipócritas, desapontados e em estado de choque, na defensiva e ocupados em esconder suas antigas convicções equivocadas, omitem a grande notícia eleitoral de 2012: nunca se vendeu e se comprou tantos votos como nesta eleição! Vá lá que esses jornalistas ainda estejam se recuperando do golpe de Lei que seus ídolos levaram neste 9 de outubro de 2012.

O ADMIRÁVEL GADO NOVO se comportou como tal, novamente como rebanho. Uma massa chifrada que, em desabalada carreira procura e acha a sua propina, sua esmola e seu óbolo humilhante de um político-cidadão todos os dias, parece estar sempre em festa. No dia da eleição, então... ele faz a festa da democracia (democracia na TV). Mas o que se vê é a auto-corrupção do povo por seus políticos. E não se vê isso pela imprensa, não na regularidade com que isso acontece.  Isso nunca aconteceu nesta escala antes da era Lula.

A corrupção moral é a mãe das corrupções. Por isso falo da pobreza moral do nosso povo. Quem empobreceu a moral da República? Quem vive dela e quem a explora. Quem a está matando? Respondo de novo: os demagogos comunistas, ladrões da moral, os donos da festa da democracia.


Uma palavra sobre o Supremo Tribunal Federal. Ainda aguardo o resultado proclamado em acórdão condenatório e sua execução penal. Mas isso vai ficar para o ano que vem. Por enquanto, esse é também o dia em que o Supremo cortou a linha da vida do lulo-petismo.

domingo, 7 de outubro de 2012

DESAFORISMOS ELEITORAIS






Nietzsche votava? – Não, fazia aforismos à mão livre. Nietzsche, um espírito livre, se desobrigava dessa imoralidade constrangedora. Ele era contra qualquer coisa obrigatória. De certo modo ele foi o inventor da eleição (escolha) de Sofia.


Eleições zen-budistas. – Já votaste hoje, pergunta o Mestre? Sim, responde o pupilo. Então lava as tuas mãos, responde o Mestre.


Mãos limpas, idéias sujas. – Redelinqüir. Perder o direito ao sursis. Não achar mais o caminho do semi-aberto. E pensar que tudo isso está ao alcance de nossas mãos, que nasce delas, e somente delas.


Cola eleitoral permitida. – O TSE reconhece seu analfabetismo modelo Paulo Freire.


Titulo de eleitor. – No Brasil não basta tê-lo para votar. Esse título não intitula ninguém a votar. Por que isso? Eles agora querem suas impressões digitais. Uma espécie de cabresto eletrônico. Vai ficar mais barato; você um dia poderá votar em casa pelo Facebook. Isso não é fantástico, dizia o Hugo Chàvez?


TSE. – Ninguém vota nele. Se desaparecesse, ninguém notaria.


Voto facultativo. – A maior censura eleitoral. Como o voto nulo, que também não existe na legislação, diz da democracia que temos. Sua ausência na legislação trai o próprio conceito de democracia.


Eleição, a festa da democracia. – Data de aniversário da democracia. Dia de festa da democracia, como adora dizer a imprensa aduladora. O povo não ganha presentes. Os presentes dos políticos chegam mais tarde. E os tribunais mais tarde ainda. Aí já é tarde – houve outras festas.


Vamos às urnas. – Isso não existe mais. Como um útero ainda grávido que guardava um segredo, as urnas viraram metáforas de uma fantasia democrática. Nem na cabeça de juiz existem mais segredos. Lewandowski, por exemplo, nem tem cabeça, ou ela é de vidro, transparente na sua fidelidade canina. Na ecografia do seu voto lá está o voto em petistas.


Eleições desproporcionais. – Como há eleição a cada dois anos, o povo brasileiro não vê prazer mais nisso. Vota como faz amor com a mulher velha. Um dia cansa. É desproporcional.


Votações tranqüilas. – A imprensa adora noticiar isso. Até consagrou o chavão: as eleições aconteceram normalmente. Já estamos acostumados com tropas federais nos lugares onde a democracia e a cidadania são mais fortes.


Instituições sólidas. – De onde vem este tremor, então? Algum terremoto? Algum abalo democrático com ficha-suja?


Voto em branco. – Os petistas, depois do terror do Negrão do STF, só votam em branco.


Compra de votos. – Nada mais natural no mercado político-eleitoral. Pesquisas eleitorais são compradas. Isso não é compra de votos e de consciências?

Pesquisas eleitorais. – Espécie de crime continuado, reiterado, e contínuo por largo tempo de compra de consciências, especialmente as mais vazias. O TSE só se preocupa com a compra do candidato e a venda do eleitor. Eu resolvi esse problema: eu sou a minha própria pesquisa, isto é, não a encomendo nem pago nada e fico sabendo de tudo.

Caixa 2 eleitoral. – Não é uma ficção. Se o TSE punisse isso e cobrasse uma multa pesada, poderia pagar melhor seus juízes, ou, pelo menos poderia pagar a conta do oculista desses cegos.


Segundo turno. – É quando o eleitor percebe que poderia ter resolvido tudo no primeiro.


Horário eleitoral. – Prazo em que a censura legal impede as pessoas de conhecerem melhor os candidatos.


Crime eleitoral. – Algo que não aconteceria sem os eleitores.


Eleitores. – Pessoas instadas a votar. Muitos dizem: chegou a minha vez. Quase ninguém diz: chegou a nossa vez.

sábado, 6 de outubro de 2012

                         A BOLHA ASSASSINA



A prosperar a tese dos Mártires do STF, cuja existência já não se pode negar, teremos o maná intelectual e material para uma grande controvérsia no Brasil. Não faltarão intelectuais de miolo mole e sua imprensa a difundir o martírio de Lula, o São Bartolomeu petista, do qual o STF agora arranca a pele. Tiraram a pele do governo Lula com ele vivo! Cruéis! Embora a tese seja falsa não é menos real. Os petralhas como fonte de incomodações são insuperáveis. Estão sendo massacrados no STF porque fizeram exatamente (e mais ainda o que não se sabe) o que a Lei condena e pune. Deveriam agüentar em silêncio para a vergonha não aumentar. Mas que vergonha? Desde quando um partido com vocação totalitária tem vergonha?



O PT quando governo, no governo, virou uma maçaroca indistinguível. De fato, o Partido/Governo/Estado/Administração Pública, assim mascarado, assim deglutido pelo povo como uma gororoba que se dá para crianças ramelentas, que é para ninguém perceber a diferença, o gosto, e as consequências, é a própria existência material, é o próprio corpo desse desejo insano de a tudo dominar, tudo governar, tudo controlar.



Quaisquer uma de suas quatro faces acima responde pelo conjunto. Se o Estado é atacado, Dilma, e antes dela, Lula, se sentem pessoalmente ultrajados – uma dignidade imperial parece que foi ofendida! Se a Administração Pública é denunciada como inepta e corrupta, seus chefes acusavam o governo anterior por ele ter deixado uma herança maldita. Se o Partido vai mal nas eleições, a culpa é do Julgamento dos Mensaleiros e sua militância é acionada a correr para as ruas, ou, o que hoje é mais fácil, para os blogs. Se o Governo é denunciado como mensaleiro, gritam: Injustiça!



Essa maçaroca petista, esse conglomerado totalitário, afronta qualquer Lei, qualquer constituição. Ricardo Lewandowski é o seu encarregado mais visível, juntamente com seu lacaio mais jovem, Dias Toffoli, infiltrados no STF para tentar melar, embromar, e subverter a lógica racional que ameaçaria a maçaroca petista. De fato, testemunhamos Lewandowski recuar esquizofrenicamente na última sessão do STF de qualquer entendimento lógico e racional já posto como matéria sobrestada para tentar pateticamente salvar José Dirceu da condenação certa. Essa maçaroca pensante, pulsante, que sangra e fere, que respira e polui o ar democrático com seus gases nauseabundos, ainda tem o topete de manter um apparatchic instalado no STF.







Ela me lembra muito a Bolha Assassina, um monstro alienígena de um filme com Steve McQueen de 1958. A Bolha Assassina era expansionista. Ela fagocitava tudo. Canibalizava tudo que impedisse sua marcha destruidora. A maçaroca corrupta petista é igualzinha: a República, o conjunto das quatro partes como mostrei acima, mais as Leis e a Sociedade, é devorado e absorvido sem piedade, sem remorso ou culpa. A Bolha Assassina petista não tem sentimentos nem coração, mal a distinguimos na sua multiforme predação. Apesar de enorme, ela quer se fazer invisível. E teve muita ajuda para assim permanecer. Como já estamos vendo o diversionismo e a desfaçatez continuam. 



Sua última faceta, foi o que quis advertir no meu último texto, estará a se revelar e já se comporta como retaliação desesperada, fora da Lei, sem ética nem razão. Resistirão à toda argumentação racional e verossímil para sustentar-se irrealmente na sua firme determinação de destruir tudo em volta e fazer o povo acreditar que são inocentes, que não canibalizaram a sociedade brasileira.



Uma das características mais notáveis de uma organização deste tipo é sua capacidade de oferecer certezas ao viver humano, embora se saiba que a realidade da vida é justamente a incerteza, a dúvida, a probabilidade maior ou menor, aquilo que nos acarreta medo e temor, mas que também nos desafia a enfrentar e vencer. Oferecida ou garantida a certeza, ainda que fictícia, à população, esta para de trabalhar e de pensar. Deixa-se sugar confiante no Grande Líder e seu grande aparato de poder. Quando essa oferta de certeza é ameaçada a reação é imediata. Se não conseguirem vencer ou subjugar rapidamente o perigo e a ameaça que vêm das Leis da República, a saída será a auto-martirização, ou a auto-vitimização. Se farão de coitadinhos. Amavam o povo, o qual, no entanto, na sua inocente ignorância, não está autorizado a reclamar de sua condição escrava. Só faltará eles dizerem: fomos traídos pelo povo!



José Dirceu e outros petralhas, não esquecendo a advocacia petralha, já agem no sentido de estimular a mídia chapa branca, as revistas mensaleiras, os blogs, e as redes de televisão a mostrar a tamanha injustiça que o STF faz contra esses democratas populares. Por enquanto os grandes veículos se movem com discreção se valendo principalmente dos impedimentos da Lei eleitoral. Aguardemos a semana que vem. Alguns poucos, como notei, já começaram a explorar uma adesão explícita às Leis e à Constituição. É a legalidade de boca para fora que lhes convém.


                               a maçaroca totalitária petista



A Bolha Assassina no filme era morta com gelo e com frio. A Bolha petista, entretanto, só morre com jatos escaldantes de democracia, Código Penal, legislação em vigor e publicidade de suas características. Este seria o trabalho de uma oposição, caso ela existisse. Mas a oposição somos nós mesmos.

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

A lavagem de autos do teratológico Lewandowski















No ambiente tóxico para o PT, no que se transformou o STF, vive uma criatura patética. Alguém disse que o Lewandowski foi patético nesta quarta-feira. Correto. Havia um pathós que o envolvia, que o fazia fremir. Suas mãos longas e finas pareciam ainda mais pálidas e trêmulas. Alguém disse nervoso. Eu acrescentei no primeiro momento, excitado. Mas a palavra mais apropriada é patético mesmo. O pathós, a inflamação emotiva de quem sabe estar sob forte tensão. Uma adrenalina lewandowskiana pode levar a uma isquemia. Mentiras e lavagem de autos acaba com qualquer um.



Hoje, esse advogado-revisor ficou cego, com hipertensão endocraniana – uma elefantíase cerebral em todos os sentidos. Não enxergava o elefante de ontem a um palmo do seu nariz.



E não era para menos. Lewandowski vem se esmerando na criação do mito do inocente perseguido por um tribunal – Dirceu, ou Che Dirceu. Como sabemos, o STF para os petistas é um tribunal de exceção. Lewandowski vem deitando raízes malignas na criação de um mito que poderia substituir Lula. A fantasia megalomaníaca petista não pode parar. Está no DNA deles. “Che Dirceu” é uma boa idéia para recomeçar tudo de novo quando o mito Lula se desfizer.


Para isso Lewandowski tentou na sessão de hoje (quinta-feira, 4/10/2012) nos empurrar a sua versão esquizofrênica que Delúbio foi o único autor intelectual, o mentor, o pai do bebê tarado e corrupto gerado por Lula na barriga do PT – o cara que bolou toda essa engenharia de bandidagem ora em julgamento. Dirceu e Genoíno não existiam, ou somente existiam nos autos. Depois de lavados, sumiram. Mas que não se exija de Lewandowski que ele seja um juiz, um leitor e intérprete de autos – o lavador de autos é um advogado militante. Talvez ande armado. Cabe uma geral nesse teratogênico advogado do Diabo.



O que vai acontecer daqui em diante eu não sei, mas Lewandowski entrou para a História do Brasil. Durante décadas, a gente se estourará de tanto rir deste cavaleiro da triste figura. Ficará conhecido como o advogado-juiz que criou o mito do inocente perseguido por um tribunal político, ideológico e, provavelmente controlado pela direita do PSDB.


Mas, daí fazer o corruptor José Dirceu um mártir, é um pulo. Os petistas sabem disso ao construir versões cada vez mais fantasiosas e malucas na tessitura teratológica do inocente perseguido por um tribunal, confundindo o povo brasileiro. Gente da laia do Marcio Toma Mais Bastos se presta muito bem para isso. Vem por aí embargos de falsidade ideológica.

Mas para o desespero deles o STF não tem maioria petista, pelo contrário. Os petistas apanhados lá estão ferrados. Vamos deixar isso muito claro.

Se o mito do injustiçado prosperasse, teríamos duas correntes opostas em breve. Uma, a República, na persecução constitucional do resto desses bandidos; outra, os golpistas comunas do Estado brasileiro se fazendo de vítimas, com Dirceu na liderança e aliado aos cucarachos cocaleros e bandoleros do Foro de São Paulo; comunas corruptos armados até os dentes. Os petistas já viveram no mato onde foram juízes terminais; sabem de tudo como conspurcar a Justiça e suas regras incômodas e fazer a sua própria justiça kangaroo guevarista. Não hesitarão em partir para a guerrilha de novo.


Que tribunal poderia entender o que o PT realmente é? Será que percebe no PT uma vocação fanática para a roubalheira e para a ideologia comunista? O STF o compreende assim? Se a resposta for sim, então uma posição forte, majoritária, da população poderia caçar o Che Dirceu no mato, ou na cadeia, caso em que ele estivesse preso. Em dois anos poderíamos no livrar deles todos nos governos estaduais e no Parlamento. Esse é o maior medo petista: perder a hegemonia conquistada nos últimos vinte anos.


Bom, aguardemos. O STF ainda não terminou o serviço de limpeza. Ainda eu não estou certo que o PT será visto como realmente é. Se houver qualquer desleixo nesse exodus* volto a chamá-lo de supreminho. Por enquanto, confesso, vivo um ar mais limpo, desintoxicado. O Brasil pode ter uma chance.



* Na Idade Média quando alguém gritava EXODUS!, uma lata de merda era lançada fora por uma janela.

Chorume e chorumelas





O odor fétido trazido à tona pelo julgamento da Ação Penal 470, o Caso dos Mensaleiros, continua, não obstante o incansável trabalho por parte dos áulicos do Partido dos Trabalhadores de tentar impermeabilizar a origem do mau cheiro: o governo Lula. Desde 2005, o ano da descoberta do Mensalão, inaugurou-se o trabalho de esconder e disfarçar o chorume que escorria e ainda escorre do subsolo da Presidência da República e da Câmara dos Deputados. A gritaria petista, de seus aliados e advogados milionários, eu chamo consequentemente de chorumela.



É um trabalho insano, sem dúvida dos que chorumelam. Insano e determinado, reafirmo. Ainda hoje os advogados dos ladrões petistas, buscando desmoralizar e desautorizar o STF, entoam a chorumela de buscar uma Corte internacional que absolva um ladrão confesso como Valdemar da Costa Neto, por exemplo. Estariam eles desistindo de advogar no Brasil por não saberem perder a sua causa oculta maior e mais rica, isto é, a defesa do Lula corrupto?



Mas, para além da chorumela declarada, pública e deslavada dos advogados milionários, há ainda a chorumela de artistas, jornalistas e outros corruptos políticos. O que querem eles? A continuaçāo da roubalheira lulista? Isso soa loucura, fanatismo, contaminaçāo fascista de quem usa e canaliza sua inteligência para louvar ladrões, alguns confessos, e outros ainda que não poderão em breve ser chamados de "supostos" corruptos, "supostos ladrões". Este costume de jornalistas e de outros formadores de opinião no Brasil socialista de proteger "companheiros" petistas sob a proteção da "dúvida" ou do princípio do in dubio pro reo, usado de forma cínica, está com os dias contados. A chorumela pró-mensaleiros, pró-socialistas desses fanáticos ainda atrasará o país por algum tempo.



Entretanto, podemos constatar que o lulo-petismo visto cada vez mais como uma organização totalitária e corrupta começa a penetrar as camadas mais desinformadas da população brasileira. A imagem positiva de Lula, ou seu mito, e do próprio Partido dos Trabalhadores começa se desgastar. Embora a informação correta do que está se passando no julgamento do governo corrupto de Lula, e é disso que realmente se trata, - daí a chorumela desesperada - ainda esteja sendo filtrada pela mídia de massa, observa-se uma luz que não foca mais o lulo-petismo, deixando-o à sombra para revelar a verdadeira face desse partido totalitário e sue líder maior. Espero eu que esta sombra produza o conhecimento por parte da população mais simples, a grande maioria do povo brasileiro da origem mais recente dos seus males e sofrimentos.



Cada vez mais se torna claro que o governo petista iniciado por Lula e continuado por sua sucessora trata-se de uma enorme operação de tomada do Estado que fez e faz tabula rasa das leis da República. A desfaçatez com que isso foi e é feito passará à História, queiram ou não os que ainda chorumelam e fingem não sentir o fedor do chorume petista.