segunda-feira, 29 de novembro de 2010

BANDIDAGEM PACIFICADORA





Os outros bandidos, cansados de tanta paz, de tanta pacificação, e que esperaram demais pelo fim das eleições, resolveram pedir mais paz aos (i)responsáveis pela segurança do povo carioca em particular, e do povo brasileiro em geral. As imagens da "pacificação" estão abaixo.




E as imagens da enrolação não demoraram. Afinal, a mina de ouro das Olimpíadas e da Copa do Mundo vale qualquer sacrifício. Até uma Cristina Anampur da GLOBO vestiu um coletinho à prova de balas, novinho em folha. Ficou bonitinha no modelito GloboWar - no padrão conveniente à encenação.





A foto acima ilustra o momento sublime: a polícia (o Estado) tomando o Morro do Alemão, reduto até duas semanas atrás “inexpugnável” do narcotráfico, e fincando ali a bandeira nacional, como a de Iwo Jima dos mariners americanos na Segunda Guerra.

Para quem não está atento, ou é estrangeiro e se deixa desinformar pela mídia nanica, o tráfico de drogas, a bandidagem chinelona, enfim pacificada, agoniza. É de se perguntar porque não tivemos antes um Sergio Cabral, um Lula, um Tarso Genro, esses gênios do combate às drogas? Por que só agora tiveram a idéia brilhante de prender, atacar, desmantelar as gangs das drogas nos morros cariocas?



Peraí! Então as UPP (Unidades de Polícia Pacificadora) fracassaram redondamente, ao contrário do que diziam em campanha o Dilmão, Lula e o Sergio Cabral! Esta é a conclusão. Esta também é a charada a ser decifrada: se a Policia Pacificadora voltar aos morros depois da retirada das forças armadas, então se comprovará a farsa toda. E parece claro que o exército e os tanques da marinha não ficarão lá por muito tempo. As forças armadas brasileiras não são o MST que conta com recursos inesgotáveis do governo federal. Além disso, seu orçamento não deve ser um décimo do orçamento do Complexo do Alemão. E, finalmente, o Foro de São Paulo não lhes dará autorização para tanto. Afinal, quem é que eles pensam que manda no narcotráfico da América Latina?



VEJAM AS VERDADEIRAS IMAGENS DOS FARSANTES DA PACIFICAÇÃO DO NARCOTRÁFICO.


                   
 


Desenha-se mais uma farsa, mais uma manobra de propaganda do governo Lula/Dilma, porque os verdadeiros traficantes estão imunes sob a capa do socialismo pacificador da UNASUL (nome de fantasia do Foro de São Paulo). Esse reduto narcotraficante comunista vive do apoio recíproco e simbiótico de governos comunistas corruptos como o BRASIL, EQUADOR, VENEZUELA, CUBA, PARAGUAY, URUGUAY, ARGENTINA E CHILE.


Esses governos corruptos vivem das drogas. Somente a cocaína lhes proporciona uma renda anual de centenas de bilhões de dólares, e essa dinheirama toda financia armas, revoluções, seqüestros e cativeiros na floresta, eleições presidenciais, re-eleições imperdíveis, juízes venais que protegem terroristas comunistas internacionais, políticos do Senado e da Câmara, intelectuais de miolo mole, promotores e jornalistas, muitos jornalistas. Um deles  já escrevia sobre uma futura "invasão social" da pacificação.



                                     

                      capa de livro já desatualizado (o herói é outro)



Alguns desses jornalistas até trabalham de graça para a causa comunista. Como identificá-los? É fácil: é só ver as matérias ufanistas, o teatrinho piegas, as imagens patrióticas, as apressadas conclusões triunfalistas com que essa gente engana há décadas o povo brasileiro. Quem vocês acham que inventou a popularidade do Lula, o presidente mais querido, o mais amado, o mais aprovado, mesmo que tenha sido desmentido pelo resultado de eleições?


Na imprensa do narcotráfico os bandidos estão morrendo - estão liquidados. Só ali estão desaparecendo. As imagens de mães entregando os seus filinhos à polícia, mas antes mostrando-os na mídia à prova de bala - quem diria, totalmente arrependidos, alguns até regenerados  e "vítimas" da opressão capitalista - podem enganar muitos e por muito tempo, mas não enganarão todos para sempre. Este certamente não é o último capítulo da Política Pacificadora do governo narco-socialista do Brasil.


Essa história  de apaziguar bandidos incuráveis é história para o boi do narcotráfico dormir e reeleger um Sergio Cabral mais pacificado. O que contam mesmo são as ações repressivas e permanentes (desejo da população) que levam à morte, ou à cadeia, bandidos sem a menor chance de recuperação; gente cruel que mata crianças e destrói a própria juventude dos morros e das ruas cariocas. O fenômeno apaziguador covarde que beira à cumplicidade – quando não é exatamente esse o caso -, ocorre em todo Brasil. O exemplo da “pacificação” de monstros está se espalhando por todo o Brasil. Em breve todas as capitais brasileiras terão “pacificado” seus bandidos. Quem sobreviver às balas não perdidas, verá.
                           


   
                                     COCAÍNA? EU NÃO SEI DE NADA!






quinta-feira, 4 de novembro de 2010

V de Vingança






Remember, remember, the 5th of November, The Gunpowder Treason and Plot…
I know of no reason why the Gunpowder Treason
Should ever be forgot











             


(O texto abaixo não é propriedade do governo)

Acima está a face mascarada do Guy Fawkes moderno. Em 1605 Guy Fawkes planejou junto com quatro companheiros explodir o Parlamento inglês no dia da abertura solene e que contava com a presença do rei James I (VI da Escócia). Foi traído e preso. Torturado barbaramente acabou confessando. Em 31 de janeiro de 1606 foi enforcado, arrastado e esquartejado. Desde então o dia 5 de novembro, o dia de Guy Fawkes, é lembrado com fogueiras e fogos de artifício em toda a Inglaterra. Lembrado como traidor do Reino.



O filme V de Vingança dos irmãos Andy e Larry Wachowski, os mesmos da trilogia Matrix, é a versão cinematográfica adaptada aos tempos modernos desse evento histórico. O filme deve ser visto pelos amantes da Liberdade, pelos que se sentem oprimidos, pelos que querem vingança de perseguições sofridas, pelos que desistiram da vida política como meio de solução de conflitos, pelos que odeiam o totalitarismo, e, fundamentalmente, pelos que desacreditam do Parlamento. A ação se passa em uma Inglaterra do futuro dominada por um partido fascista comandado por um “Big Brother” que chegou ao poder através de atos genocidas contra seu próprio povo.



Guy Fawkes foi um católico perseguido pela fúria anglicana de Jaime, ou da rainha Elisabeth I, morta em 1603. Com trinta e seis barris de pólvora (powder) ele tinha o bastante para mandar pelos ares o Parlamento, o Old Bailey, a Abadia de Westminster, o Whitehall, e tudo o mais em um raio de 400 metros. Foi traído (treason) e virou vilão nacional. O Parlamento continua lá, mas os anarquistas o têm como herói – dizem que ele foi o único homem que mereceu estar lá no Parlamento!



V, a voz da verdade, vinga e vocifera pelas vítimas da vilania do Estado. A máscara que usa equivale ao boneco de Guy Fawkes, em tamanho natural, com que as crianças brincam no 5 de novembro inglês. Ela sorri o tempo todo, mas tem uma cara má, muito má para com a ideologia da Lealdade, praga totalitária muito pior do que a igualdade.



O site de “V de Vingança” diz que o filme não é apenas uma batalha contra a tirania, mas uma estória sobre o terrorismo, se ele pode ser justificado. O filme nos faz pensar muita coisa da nossa própria realidade. Por exemplo: quem é o nosso V? Qual é a data brasileira com que celebraremos o nosso V, se tivermos um. Quem seria ele? Um de nós, alguém odiado por nós, ou alguém que nem conhecemos? A resposta no filme é dada por Evey, a heroína: Guy Fawkes somos todos nós, o que me faz pensar que um dia teremos um V! A lamentar é que quase tivemos um em Tiradentes, embora todos saibam o destino do nosso primeiro Guy Fawkes!



Mas que ele não tarde, porque o povo não deve temer seus governantes; são os governantes quem devem temer seu povo!



Lembrem o 5o  de novembro, porque eu não conheço nenhuma razão porque a Traição da Pólvora e do Complô deva ser esquecida!




2006

































segunda-feira, 1 de novembro de 2010

A DEGRADAÇÃO DO BRASIL




Por conta de coisas como essas que vemos acima, muitos parecem desanimar. Vêem como perdida qualquer causa que leve à salvação do país. Como vemos no mapa da infâmia política, onde o Rio de Janeiro e Minas Gerais se transformaram no NORDESTE miserável, parece mesmo impossível erradicar o socialismo que parasita essas regiões. Mas devemos também reconhecer que 40 anos atrás essa mesma região, com exceção do Rio e de Minas, era dominada pela ARENA, partido criado pelo autoritarismo militar. Antes disso foi o domínio da Igreja Católica milagreira e enganadora que dependia do povo pobre e inculto para se manter. Pelo menos ainda fazia algo pelo povo, diferente da Igreja de hoje. O que não podemos negar  é a dependência política e do Estado do povo que ali mora.

Os exemplos recentes da degeneração do povo carioca e mineiro, que em sua maioria chancelaram com seu voto a indignidade da miséria e da ignorância - se fazendo de mortos de fome, quando na verdade, são mortos de sem-vergonha, vagabundos e parasitas sem perdão, aumentaram com o cativeiro socialista das esmolas. Essa é a nova cara do Brasil da era Lula. Imagino essa cara piorada daqui a quatro anos quando estivermos de novo compondo mapas políticos como esse.  
 
A tragédia que foi a eleição da Bruxa comunista ainda é imensurável. Não há ainda como medir a extensão do dano. Por alto, podemos calcular que sua eleição significou uma década a mais de retrocesso para o país como um todo, mas especialmente para Norte e o Nordeste que agora tem praia e come pão-de-queijo. 
 
O Brasil com este exemplo de indignidade mendicante torna-se alvo cada vez mais fácil para os exterminadores da Nova Ordem Mundial. Aliás, desconfio que esta eleição é o que eles queriam. Se fosse diferente seu propósito, teriam meios de inviabilizar a candidatura da Boneca de Corticóide. Ela cumpre a agenda satânica e tudo fica bem. No post a seguir desenvolvo e revelo essa agenda maligna da qual Dilma Roussef é a bruxa da vez.
 
 
 
O ABORTO QUE DILMA NÃO IMPEDIRÁ
 Serra deveria agora estar com vergonha de ter prometido o décimo-terceiro do Bolsa-Família equiparando-se a mais baixa manobra de angariar votos. Recebeu o castigo de ser desprezado por este povo ignorante e inculto, mortos de fome e sem-vergonha na cara!   




Mas foram os tucanos que inventaram essa vergonha assistencialista- não serão eles, portanto, que a erradicarão. Por coerência, não deveria eu esperar que eles tivessem vergonha do que fazem no Brasil.